7 de outubro de 2013

Os Pequenos Crimes de Agatha Christie - Papel e Película (Coluna)


Segundo o Guinness Book, Agatha Christie é a autora que mais vendeu livros no mundo: foram quatro bilhões de cópias de seus 66 romances e 153 contos organizados em coletânea. Essa é a prova numérica da qualidade da obra da escritora britânica, uma verdadeira dama do suspense que sempre soube entreter e surpreender com suas histórias policiais. Obviamente, material de tão alta qualidade despertaria a atenção de outras mídias. A televisão francesa, com uma boa dose de imaginação, criou uma série em que dois simpáticos detetives fazem as vezes de investigadores dos pequenos crimes de Agatha Christie.

A cada semana, um novo episódio de noventa minutos apresenta o comissário Jean Larosière (Antoine Dulery) e o inspetor Emile Lampion (Marius Colucci) envolvidos com algum crime, seja este recente ou antigo. Isso mesmo: não espere ver os protagonistas Hercule Poirot ou Miss Marple, porque a licença poética, ou melhor, televisiva, começa aqui. Larosière e Lampion foram personagens desenvolvidos para os quatro episódios da série “Pequenos Crimes em Família”, exibida em 2006 e que, por sua popularidade, voltaram como a dupla principal das histórias de Agatha Christie.

A série se passa nos anos 1930 e todos os cenários e roupas deixam isso bem claro. O cuidado com os detalhes é constante e em cada cena é possível “sentir” a época em que a história se situa. Entretanto, não espere ver menções à política da época (apenas um episódio possui como personagem um médico judeu que fugiu da Alemanha). Outro ponto importante é que os episódios não são sequenciais, pois enquanto o primeiro da série se passa em 1939, outros subsequentes têm sua ação acontecendo antes. 

A escolha de uma dupla de detetives ao invés de um único investigador faz surgir situações que sem dúvida atraem o público. Larosière é mais experiente e paquerador, servindo como uma figura paterna para o atrapalhado, divertido e ainda imaturo Lampion. A fórmula de sucesso de tantas duplas é aqui repetida com bons resultados, grande sintonia e, claro, a certeza de que sempre será Larosière a solucionar o mistério. E, como em qualquer história de detetive, nós também somos levados a levantar nossas teorias, que mudam com as novas evidências e são confirmadas ou rechaçadas ao final, com a grande revelação e, acredite, em se tratando de Agatha Christie o final é sempre surpreendente.

Assim como acontece com os personagens principais, com os coadjuvantes também há modificação. Algumas características dos envolvidos nos crimes são mudadas para que eles mexam com as emoções dos investigadores. Por exemplo, em mais de um episódio Larosière encontra um velho conhecido (ou uma velha paixão) entre os suspeitos do crime.

A série contou com 14 episódios produzidos entre 2009 e 2012. Eles estão sendo exibidos na TV Brasil, aos sábados às 22:30. Novos episódios são atualmente gravados na França com novo elenco. Intrigante e divertida, uma série que deixa qualquer fã de Agatha Christie animado e que certamente faria com que a autora ficasse orgulhosa da adaptação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)