13 de novembro de 2012

A Morte da Luz (George R. R. Martin) - Crítica / Resenha


Sinopse
Primeiro livro escrito por George R. R. Martin, autor da renomada série As Crônicas de Gelo e Fogo, foi premiado com os principais prêmios do mundo de fantasia e ficção científica. Desde essa primeira história o autor já mostra o que o tornaria mundialmente famoso, seus personagens que não são nem vilões, nem heróis, mas sim seres complexos como todos nós. Um planeta está prestes a morrer, seu caminho se afasta das estrelas que trazem vida àquele lugar. Suas 14 cidades, construídas rapidamente quando o planeta passou por perto de uma grande estrela, também estão moribundas. Worlorn não é o planeta que Dirk t’Larien imaginava, e Gwen Delvano não é mais a mulher que conhecera. Ela está ligada a outro homem e a esse planeta moribundo preso no crepúsculo, seguindo em direção à noite sem fim. Em meio à paisagem desoladora, há um violento choque de culturas, no qual não há códigos ou honra e uma batalha se espalhará rapidamente.


Hoje consagrado pelo épico As Crônicas de Gelo e Fogo, George R. R. Martin é sem nenhuma dúvida um grande autor de fantasia. Entretanto em A Morte da Luz, não é nas criações de mundos alternativos que sua qualidade se destaca.

A ficção científica do livro é permeada de ideias interessantes; o mundo de Worlon por exemplo está repleto de diversos conceitos bons com sua nostálgica aura de planeta abandonado prestes a morrer.

Mas, ao contrário do que seria esperado, Martin não consegue desenvolver bem tantas propostas que acabam ficando superficiais. O destaque fica então a cargo de uma surpreendente narrativa com muitos traços românticos e de bons personagens que conquistam o leitor com o tempo.

É interessante notar como a simpatia não será automática, nem mesmo com o protagonista, mas conforme a história vai se desenvolvendo percebemos novos aspectos da humanidade complexa de cada um dos integrantes da trama. 

Assim, a história simples e estilisticamente bem escrita vai cativando o leitor aos poucos e certamente proporcionará bons momentos de diversão sustentada sobretudo pelos personagens. 

Infelizmente, a obra tem umas pretensões a mais que não se concretizam. Exemplos disso são discussões políticas e sociais que acabam sendo mal-desenvolvidas, assim como toda a ambientação ficcional do universo "pós-Terra" que os circunda. 

Finalmente, ainda é possível notar explicações em excesso. Diálogos longos estão presentes para explicitar o que deveria ser passado de forma mais natural, causando assim uma mudança intensa de ritmo.

Tudo isso, porém, não retira os méritos da obra que funciona pela capacidade de Martin ao confeccionar uma história verdadeiramente interessante. Fica a sensação de que poderia ter sido melhor é verdade, mas ainda assim o desenvolvimento de personagens bem-feito e pouco previsível sustenta a narrativa com competência.

A Morte da Luz é assim um bom livro que já denota algumas das qualidades que Martin eternizaria com As Crônicas de Gelo e Fogo. Há sim algumas escorregadas impedindo que o livro fique mais "inteiro" e coerente com uma proposta fixa. Mas nada que retire o divertimento de acompanhar um triângulo amoroso interessante; este que é o grande motor da obra.


(3 de 5 / Bom)






3 comentários:

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)