10 de julho de 2012

O Símbolo Perdido (Dan Brown) - Crítica / Resenha

Editora Sextante
Sinopse
Depois de ter sobrevivido a uma explosão no Vaticano e a uma caçada humana em Paris, Robert Langdon está de volta com seus conhecimentos de simbologia e sua habilidade para solucionar problemas. Em 'O Símbolo Perdido', o professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon - eminente maçom e filantropo - a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. 
Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo. Mal'akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo. Vendo que essa é sua única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana - o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian. Neste labirinto de verdades ocultas, códigos maçônicos e símbolos escondidos, Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter e renomada cientista que investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico. O tempo está contra eles. E muitas outras pessoas parecem envolvidas nesta trama que ameaça a segurança nacional, entre elas Inoue Sato, autoridade máxima do Escritório de Segurança da CIA, e Warren Bellamy, responsável pela administração do Capitólio. Como Langdon já aprendeu em suas outras aventuras, quando se trata de segredos e poder, nunca se pode dizer ao certo de que lado cada um está.


Nem todo o livro precisa ser genial, entreter bem pode ser suficiente para muitas publicações. É nesse lógica que estão alicerçados os best-sellers de Dan Brown que apesar de não se destacarem por sua qualidade literária, convencem muitos leitores por conquistar a atenção.

Não é preciso saber muito de literatura para entender que Brown não é um mestre da estilística; a maior parte de suas descrições é quase literal com uma ou outra ferramenta narrativa que parece ter sido aprendida num guia de "como fazer".

A mesma falta de desenvolvimento também pode ser constatada nos personagens que são arquetípicos ou superficiais. Até o protagonista Robert Langdon (famoso depois de estrelar O Código da Vinci) não se diferencia tendo uma personalidade genérica e linear. 

Com estas limitações, O Símbolo Perdido (assim como os outro livros do autor) se sustenta na trama de suspense cuidadosamente formulada para prender o leitor através dos bons e velhos ganchos e nas várias situações que ficam em aberto entre os capítulos. Finalmente, fecha esta fórmula o diferencial de Brown: construir uma inventiva trama histórica com fortes doses de imaginação.

Assim, a obra acaba sendo muito dependente do interesse do leitor pela história conspiratória que envolve a tão comentada Maçonaria. Quem não é muito dessas coisas, não vai encontrar elementos qualitativos fortes o suficiente que justifiquem a leitura composta de personagens apagados, estilo superficial e o conhecido velho esquema "mistério a ser revelado no capítulo seguinte";

Fora estas limitações, O Símbolo Perdido ainda causa um desconforto significativo com o seu final. Para não revelar detalhes, me limito a dizer que tudo se resolve com uma rapidez exagerada onde uma esperada consequência emocional forte praticamente inexiste. Ao invés disso, o livro prefere recorrer a um epílogo místico/explicativo que passa a sensação de ser um "adicional" que não coube direito na história.

Enfim, neste livro vemos o mesmo Brown de sempre sem a força de uma trama polêmica como em O Código da Vinci. Seu estilo de escrita razoável, parecendo fruto de uma fórmula, em nada tem de brilhante; assim como os personagens lineares que não parecem ser capazes de fomentar a empatia do leitor. Mas não é ruim; só não é marcante, original, emocionante, comovente....



2 de 5 (Regular / Fraco)

3 comentários:

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)