25 de março de 2012

A Ceia dos Acusados (1934) e Outros Casais de Detetives - Papel & Película (Coluna)


Nunca antes (ou depois) na história do cinema houve um casal tão charmoso quanto Nick e Nora Charles. Criados pelo escritor Dashiell Hammett (responsável por sucessos literários e cinematográficos como “O Falcão Maltês”) no início da década de 1930, o elegante par vivia trocando farpas, era muito perspicaz e jamais dispensava um drinque. Acompanhados do cãozinho Asta, eles desvendaram misteriosos crimes em uma série de seis filmes e serviram de inspiração para outras inesquecíveis duplas românticas que combatiam os meliantes.

Nick é um ex-policial que vive tentando se desfazer dos novos casos que surgem, mas sua espirituosa esposa Nora sempre o convence a voltar à ativa, o que normalmente coloca a vida do casal em risco ao mesmo tempo em que a torna mais emocionante. Eles foram interpretados por uma das duplas mais carismáticas da década de 1930: Myrna Loy e William Powell, que juntos fizeram 14 filmes. Outro grande destaque é o fofo cãozinho Asta, um dos primeiros animais a roubar a cena no cinema. O filme não é sobre ele, mas Asta sempre chama a atenção quando está presente.

O que aconteceu neste caso foi uma filmagem relâmpago: em apenas duas semanas o filme estava pronto, tendo estreado cinco meses após o lançamento do livro, originalmente intitulado “The Thin Man”. A adaptação foi muito fiel, tendo os roteiristas utilizado diversos diálogos do livro e apenas descartado alguns eventos secundários. O autor tinha experiência de sobra para criar personagens e situações: além de ter trabalhado como detetive, a inspiração para o casal principal veio da própria relação de Dashiell com a dramaturga Lillian Hellman.

Livro e filme mostram bem o papel da mulher que iniciava sua emancipação na década de 30. Nora pouco palpita sobre o caso em si e funciona mais como uma personagem para tornar o filme mais agradável. Vira-e-mexe ela dispara uma observação espirituosa para seu marido e, é claro, faz compras, oferece jantares e serve drinques. No entanto, ele não permite que ela o acompanhe nas investigações, uma dica para os homens da época frearem o espírito aventureiro das esposas.

Além dos seis filmes produzidos reprisando a dupla protagonista, a ideia de Dashiell Hammett deu origem a uma série de televisão homônima no final década de 50, à série “MacMillan & Wife”, estrelada por Rock Hudson na década de 70, e também à popular série “Casal 20”, protagonizada por Robert Wagner e Stefanie Powers. Com o passar do tempo, a esposa ganhou destaque na investigação criminal, ajudando o marido muitas vezes na solução dos casos. No cinema o impacto do casal também foi grande. Podemos dizer que todo casal aventureiro e apaixonado deve sua existência a Nick e Nora. Além de tudo isso, uma nova versão está nos planos do ator Johnny Depp.

Certamente não é difícil imaginar Powell e Loy nos papéis principais enquanto se lê o livro. Muito da química e do charme do casal veio da escolha certa dos atores, queridinhos de Hollywood que merecem ser redescobertos pela nova geração de cinéfilos e leitores. Certamente, conhecendo a charmosa dupla, todos se lembrarão de outros Nicks e Noras que povoam as telas e páginas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)