4 de setembro de 2011

O Nevoeiro (The Mist) - Cinefilia Literária


Inicio por esclarecer que não costumo gostar das obras de terror de Stephen King, mesmo A-DO-RAN-DO tal gênero, ainda hoje os filmes baseados em seus livros costumam me decepcionar, mas existe a exceção, é claro! E esta exceção chama-se “O Nevoeiro”, nada de “O Iluminado” nem de “Carrie A Estranha”, o que me faz acreditar muitíssimo que o mérito seja da adaptação feita pelo Diretor Frank Darabont, tal impressão aumenta consideravelmente sabendo-se haver outros êxitos em adaptações de King feitas por Darabont, casos de “À Espera de um Milagre” e “Um Sonho de Liberdade”, mesmo que estes últimos não se encaixem na categoria de terror.

O Nevoeiro nem mesmo se trata de um livro, mas apenas de um dos contos da obra chamada “Tripulação de Esqueletos”, lançada no ano de 1985.

Aqui cabe uma observação a respeito da própria coluna: a partir da última obra abordada “Não Me Abandone Jamais” anunciei o início de Spoilers, coisa que pretendo fazer sempre agora, já que muitas pessoas apreciam saber de antemão apenas alguns detalhes do filme e/ou livro em questão, ok?! Então lá vem Spoilers à vontade. :)

Em uma pequena cidade depois de uma tempestade, um misterioso nevoeiro surge trazendo pânico à população, pessoas que estão fazendo compras em um supermercado, são pegas de surpresa quando ouvem gritos de um dos moradores da localidade, que se aproxima correndo em direção ao supermercado ensangüentado dizendo que “algo” no Nevoeiro o atacou.

Imediatamente, tod@s @s presentes, incluindo o protagonista David Drayton, interpretado por Thomas Jane (surpreendentemente bem neste filme), resolvem se proteger trancando-se dentro do supermercado, ninguém sabe verdadeiramente o que contém tal Nevoeiro, e esse mistério ajuda a aumentar o clima de tensão e pavor existentes.

Em um cenário de angustia e incertezas crescentes, vamos acompanhando as diversas maneiras de lidar com a situação entre as pessoas. Há quem procure descobrir uma forma de sair dali e pensar no que fazer depois e há quem encare o que está acontecendo como uma praga de Deus, o fim do mundo acontecendo.

É com essa diferenciação de ideias que percebemos o mais significante aspecto deste filme, na verdade o maior perigo não são os possíveis “monstros lá fora”, mas sim os passíveis de surgir dentro de cada pessoa, quando se está em perigo, enquanto seres “sociais”, como agimos? Racionalmente talvez seja a última hipótese.

O núcleo de pessoas próximas ao protagonista tenta encontrar formas de sair do supermercado e procurar algum lugar seguro, enquanto o restante (a maioria) se deixa levar por uma fanática religiosa local Sra Carmody (Marcia Gay Harden, perfeita no papel!). A situação caminha para o caos, pois de repente tudo se torna “culpa” dos desígnios de Deus e quem é contra essa ideia se torna uma ameaça à maioria.

O terror que pode ser gerado devido à existência dos “monstros” advindos do nevoeiro também está presente, há uma cena que particularmente poderá brindar cinéfil@s mais atent@s, envolve uma corda e muita sugestão, muitas vezes o que é apenas sugestionado causa muito mais pavor, amplificando nossa imaginação, tornando nossa sensação de medo ainda maior, pois mexe com o que cada um (a) considera aterrorizante, pelo menos é assim que percebo tal efeito.

O final do filme foi reescrito por Darabont, algumas pessoas adoram, outras tantas detestam, eu particularmente achei adequado e perturbador, principalmente se quem o está assistindo se deixar levar pelos acontecimentos sem tentar dar respostas previamente ao que poderá ou poderia acontecer, não gosto de fazer isso com filmes, mas para certas pessoas é algo praticamente automático, acredito que às vezes tal forma de agir pode nos privar de surpresas memoráveis.


Leia mais textos de Elisangela na coluna Cinefilia Literária




Ficha técnica:
Conto que faz parte do livro: Tripulação de Esqueletos de Stephen King
Direção: Frank Darabont
Elenco: Thomas Jane, Marcia Gay Harden, Laurie Holden, Andre Braugher, Toby Jones, William Sadler, Nathan Gamble

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)