19 de setembro de 2011

Lanterna Verde 01 (Os Novos 52) - Crítica / Resenha


Geoff Johns, autor de Lanterna Verde, penou poucos anos atrás ao assumir o título do herói esmeralda inserindo vários novos conceitos como diferentes cores de anéis e mudando detalhes importantes de sua mitologia para que o quadrinho se adequasse aos novos tempos, e conseguiu bons resultados. 

Johns também é um dos principais nomes da reformulação da DC Comics junto com Jim Lee, portanto não é de surpreender que a primeira edição do Lanterna Verde pós-reformulação tem continuidade direta com todos os conceitos anteriores ao evento não sendo uma reformulação na realidade.

Desta maneira nem posso falar muito sobre a proposta de forma geral porque o argumento da nova hq é básico, mostra Sinestro se apropriando do anel verde mesmo depois de todas as barbáries que fez, e o anel recebido é justamente o anel que sai de um Hal Jordan que agora é apenas um ser humano comum que tenta se habituar com sua nova condição.

A hq alterna a vida difícil de Jordan, que chega a ser preso e despejado sem o anel, e Sinestro assumindo o título de novo Lanterna Verde; nada que caracterize ou justifique uma edição número 1, mas completamente condizente com uma saga que tem sua continuidade.

De toda forma, apesar de fugir do que se imagina ser uma edição inaugural, Lanterna Verde 1 é bem resolvido e passa o seu recado abrindo um ensejo muito bom para a história seguinte sem dar a impressão de que o leitor teve diante de si 20 páginas desperdiçadas em um prólogo como em Liga da Justiça 1.

Quanto a arte de Doug Mahnke é, basicamente, razoável, não se destaca em nenhum aspecto e tem erros claros mas funciona de modo geral. Agora a coisa que mais incomoda são os contornos excessivos presentes na face que dão impressão de que o personagem, mais especificamente Hal Jordan, usa algo como rímel ou lápis de olho, o que, evidentemente, fica bastante estranho.

Num todo Lanterna Verde 1 é uma boa história de linha com viés de transição e portanto suprirá a necessidade dos leitores que já acompanham o título, porém tem pouquíssimo caráter de reinício o que pode prejudicar os neófitos. Por fim não se pode esperar muito de histórias de transição em termos de relevância e definitivamente tal importância é ausente.

Pode-se questionar fazer uma edição de número 1 quando a hq, na verdade, exige um conhecimento prévio, e mais importante que isso pode se questionar o caráter de elo que a história tem servindo de argumento para uma posterior quando o mais apropriado seria ela trazer uma narrativa envolvente por si mesma.

Tais fatores depõe contra Lanterna Verde 1, mas, pelo menos, não chegam a entrever um futuro ruim para as histórias que virão posteriormente o que já é um ganho, ou seja, quem leu e gostou da fase anterior do herói fique feliz pois ela se manteve; quem não, aconselho a buscar números anteriores a este - que de primeiro só tem o número - para avaliar melhor os méritos da saga pois nesta história básica eles não ficam salientes.




2 de 5 (Fraco /  Regular)




2 comentários:

  1. Bom... quero começar e ler as H.Q da DC, quando soube da reformulação, me senti obrigado a começar, e então escolhi o lanterna verde, mas agora percebo que ele não foi reformulado, que tenho que ler pra pode começar a ler esse lanterna verde #1?

    ResponderExcluir
  2. Então Trevanian, o arco de Geoff Johns começa se eu não muito me engano com "Green Lantern: Rebirth" de 2004. Mas dá pra acompanhar sim sem maiores problemas, a história é compreensível apesar de limitada para quem não teve acesso as edições anteriores.

    Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)