22 de setembro de 2011

Assassinato no Expresso do Oriente (Agatha Christie) - Crítica / Resenha


Sinopse
Em um vagão do Expresso Oriente, bloqueado pelas neves iugoslavas, é descoberto o cadáver de um homem americano com marcas de doze punhaladas. O assassino não poderia ter vindo de fora - eis o mistério, talvez o mais famoso de toda a literatura policial, no qual, para levar a cabo sua investigação, Poirot, o pequeno detetive belga, deve escolher entre uma princesa russa, uma americana temperamental, o secretário da vítima, um distinto casal húngaro, o inevitável coronel que volta das Índias, os empregados deste grupo elegante e o fiscal do vagão.Agatha Christie realmente impressiona, escreveu mais de 80 livros durante a vida, a maioria sobre romance policial, e mesmo assim nos 4 livros que li, escolhidos de forma aleatória diga-se de passagem, a estrutura narrativa se altera de forma significativa sempre adicionando uma perspectiva diferenciada de um crime e seu desvendamento.


O Assassinato no Expresso do Oriente é a expressão genuína do romance policial idealizado pois o crime ocorre logo de início fazendo com que a obra gire em torno de Poirot e de seu processo ao tentar desvendar um caso aparentemente impossível.

Não é a toa que este é um dos livros mais lembrados quando se pensa na Rainha do Crime, pois nele todo o foco é basicamente a investigação. Nós, os leitores, dividimos com Poirot e com seus dois companheiros todo o processo de tentar percepcionar a verdade através dos depoimentos que tomam a maior parte da obra (e que são muito divertidos por sinal) e por meio de evidências que vão sendo pontuadas durante o percurso da narrativa.


Como o foco é o crime o desenvolvimento dos personagens fica de lado, mas não chega a ser algo incômodo pois é condizente com a proposta de evidenciar a investigação de forma completamente clara para que todas as atenções se voltem ao processo de deciframento do mistério.

O crime, por sinal, é outra qualidade muito bem-vinda, simples de ser compreendido mas complexo de ser desvendado tem uma linha lógica completamente coerente e em teoria permite que uma pessoa seguindo a linha dos fatos e dos depoimentos possa, ao menos em teoria, descobrir o autor do assassinato que ocorre no trêm.

O expresso, por fim, é  mais um ponto muito preciso pois consegue reduzir a esfera de ação dos fatos e circunstâncias, assim temos um extremo ampliamento na atenção aos detalhes permitindo que o foco no desvendamento seja mantido do início ao fim da obra.

O Assassinato no Expresso do Oriente é o típico livro que consegue realizar sua proposta com perfeição, conseguindo equilibrar de forma competente as doses corretas de personagens, contexto e escolhas narrativas, tudo isso justificado em um final inusitado e inesperado para a maioria mas crível quando nós olhamos para as diversas pistas que nos foram apresentadas mas que, como não detentores da habilidade Poirot, ignoramos.

Não é toa que Assassinato no Expresso do Oriente é um dos romances policiais mais célebres da literatura, pois a alma do que o senso comum imagina ser um livro deste gênero está ali e com uma habilidade simplesmente impossível de contestar.

Leia as críticas de outros livros de Agatha Christie:







4 de 5 (Muito Bom)



2 comentários:

  1. primeiro livro ki leio de agatha christie espero ki os outros sejam tão boom quanto esse!

    ResponderExcluir
  2. primeiro livro ki leio de agatha christie espero ki os outros sejam tão boom quanto esse!

    ResponderExcluir

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)