6 de agosto de 2011

Um Dia (David Nicholls) - Crítica / Resenha



Sinopse

Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro.
Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas - vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia - 15 de julho. 


Um dia prova que não se pode escolher um livro pela capa (equipe de desing que me perdoe, é muito feia! Kkk), esta é uma obra que quando terminei de ler fiquei travada, e pensei... E agora? O que direi? Foi difícil porque Um dia é o tipo de livro que provoca em você todo tipo de sentimento, felicidade, tristeza, amor, raiva, dor, ou seja, é um livro real como a vida, cheia desses percalços e encontros e desencontros como a história de Dexter e Emma, ou se preferir, Dex e Em ou Em e Dex. 

Em e Dex se encontram no dia de sua formatura na universidade (apesar de Em já ter percebido Dex há algum tempo), passam a noite juntos e por um motivo que não sei, talvez por imaturidade da época, nenhum dos dois reconhece a importância do que aconteceu entre eles no dia 15 de julho de 1988. A consciência do que aconteceu naquela noite vai sendo amadurecida juntamente com os personagens ao longo do tempo na história, mais precisamente durante vinte anos. Dex e Em sempre se reencontram na mesma data da formatura e nesse ínterim eles passam pelos tropeços da vida, erram, amam pessoas ou pelo menos acham que amaram, sofrem, tem momentos felizes e entristecem novamente... Ou seja, Dex e Em passam por todas as dificuldades pelas quais o ser humano passa para “virar adulto”.

E como todo bom romance este tem aquela mensagem, a felicidade está bem ao seu alcance! Mas para Dex faltava maturidade e discernimento para entender seu amor por Em e ela não tinha autoconfiança para lutar por Dex. Na verdade, como na vida, o destino teve que se encarregar de muita coisa para esses dois.

Um dia é assim, você amadurece junto com os personagens e não há como não se envolver nesse romance, é um livro que tem uma linguagem fácil onde o autor divide os capítulos em partes, mas basicamente cada tópico é iniciado no dia 15 de julho do ano seguinte. O interessante disso tudo é que apesar dos capítulos serem “anuais” por assim dizer, não fica buracos na história, pelo contrário fica nítida a passagem do tempo e modificações na personalidade e crescimento dos personagens.

Bom, apesar tudo o que eu disse e todas as críticas dizendo maravilhas deste livro, eu vou dizer também o que considerei negativo. Para mim foi cansativo todos os dias 15 de julho esperar pelo óbvio do livro, Dex e Em juntos, como na própria capa do livro já dá a dica, vinte anos! Não precisa ser nenhum Sherlock para perceber que isso só ocorrerá após esse tempo e o final frusta qualquer romântica incurável como eu (como diriam os menininhos da formiguinha, ai que dóóó´!!! ) .

Sunny Kisses, 

Bella :)


3 de 5

5 comentários:

  1. Tô louca pra ler... Comprei na Saraiva e tá chegando a qualquer momento.

    ResponderExcluir
  2. Acabei de ler, também achei negativo e mto deprimente! Tinha tudo para ser um livro ótimo, mas as críticas exageraram mtoooo! É mto bom, mas certamente não é um dos meu preferidos, passa longe disso.
    Mto boa sua resenha!!!

    ResponderExcluir

Comente e Dê sua Opinião Sobre O Tema.

Lembrando que qualquer opinião com boa educação é muito bem-vinda, mas ofensas são excluídas.

(obrigado pela visita, volte quando puder)